Discernindo os Espíritos

Compartilhe

Um obreiro, amigo nosso, enviou-me um e-mail com a seguinte pergunta:

Por favor tente tirar-me uma dúvida: Como vc sabe discernir quando é o ESPÍRITO DE DEUS e quando não é?

Resposta:

Diferenciar quando é o Espírito de Deus que está atuando, ou falando, e quando não é, sem dúvida é uma tarefa difícil. Porém, quando se tem experiência e bom entendimento das Escrituras é possível discernir.

Não há regras, nem segredos. Em cada caso, diante de cada situação, o obreiro experiente vai encontrar o “furo” deixado pela pessoa que está tentando se passar por espiritual. Se for um espírito maligno, certamente ele também deixará um “furo” perceptível.

Haverá casos em que nem o conhecimento bíblico, nem a experiência funcionará. São situações onde apenas a manifestação do dom de discernimento espiritual poderá trazer luz a nossa mente.

Na maioria das vezes dá para perceber quando não é o Espírito Santo. A minha experiência cristã, 37 anos dentro da igreja, me permite discernir a imitação ao Espírito Santo, principlamente no que se refere às línguas estranhas. Eu não tenho dúvida que a grande maioria das pessoas que falam em línguas, nos dias de hoje, não falam pelo Espírito.

Há um detalhe muito importante, para o qual eu gostaria de chamar a vossa atenção. É que existe um espírito a quem eu chamo de “espírito do engano”. Esse é muito sutil e dificilmente percebemos que é ele quem está agindo. Esse espírito já enganou homens de Deus, ainda que sérios e experientes. Sabes por que ele é capaz de enganar até a homens sérios e espirituais? Porque ele só atua com a permissão exclusiva de Deus.

Quando um obreiro ou mesmo um crente comum está enchendo a paciência de Deus com um pedido que não lhe agrada, especialmente querendo que o Senhor lhe dê algo que a Bíblia diz que não nos cabe ou para o qual a Bíblia não apresenta resposta, Deus então permite ao espírito do engano atuar para a pessoa pensar que foi Deus quem lhe concedeu aquela “bênção”. Lá na frente a pessoa vai perceber o estrago que foi feito.

Em resumo, é preciso termos conhecimento da Palavra de Deus, experiência cristã e nos submetermos ao Espírito Santo para que ele nos revele a fonte desta ou daquela atuação.

E, por último, não querermos receber de Deus nada além do que está revelado em Sua Palavra.

Em Cristo, Ev. Sandoval Juliano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *