Sobre Castas de Demônios

Compartilhe

 

Uma pessoa que se identificou apenas como PEDRO, postou no mural de recados deste site a seguinte questão:

A PAZ DO SENHOR, ESTOU COM UMA DUVIDA. TIVE RECENTEMENTE EM UMA LUTA ESPIIRITUAL. ASSIM COMO ACONTECEU EM MATEUS, ACONTECEU COMIGO. O DEMONIO DISSE QUE NÃO SAIA ASSIM(EM NOME DE JESUS). DEPOIS QUE EU DISSE TA AMARRADO, ELE DISSE: EU VOU MAIS EU VOLTO. GOSTARIA DE MAIS INFORMAÇÃO SOBRE O ASSUNTO, SOBRE CASTAS. PODERIA ME AJUDAR?

Minha resposta:

Bem, meu irmão, eu já tive muito trabalho com pessoas endemoninhadas. Graças a Deus que não tenho tido esse trabalho nos últimos anos. Mas, com a experiência que tive aprendi algumas coisas que gostaria de compartilhar aqui:

1º. Que na maioria dos casos o endemoninhado não está endemoninhado;

2º. Aprendi que tem gente que os demônios trazem para a igreja só para perturbarem. Geralmente essas pessoas dão o maior trabalho, no outro dia voltam a frequentar os centros de macumba ou a fazerem as mesmas coisas erradas que viviam fazendo, sem demonstrarem qualquer arrependimento de seus pecados. Precisamos ter discernimento para percebermos esta intenção do inimigo;

3º. Que a maioria dos crentes não têm qualquer preparo para expulsarem demônios. Por que isto? – Primeiro, porque em nossas igrejas(Assembléia de Deus), não instruímos nossos membros a lidarem com essa situação, por não serem comuns essas manifestações em nosso meio. Segundo, porque a maioria dos crentes não têm vida consagrada;

4º. Aprendi que a nenhum obreiro tem que sair à procura de endemoninhados para libertar. Quem quizer libertação deve vir à igreja. O  obreiro que vai até à casa onde a pessoa está, corre o risco de sofrer um desgaste muito grande. É muito comum o obreiro ser hostilizado, rejeitado e até criticado pelos parentes não crentes que não entendem a obra de Deus. Temos na Bíblia o caso do endemoninhado gadareno, como prova disto. Nós vimos neste caso que mesmo tendo realizado um grande feito, Jesus foi rejeitado pelos compatriotas daquele homem, e até expulso da cidade deles. O outro exemplo é o da filha de Jairo. Quando chegou à casa dele, Jesus pediu que colocasse o povo para fora da casa e somente um grupo seleto pôde estar com Ele no momento da ressurreição da menina. Eu diria que a igreja, o templo, é um território mais favorável à manifestação do poder de Deus. Só devemos ir à casa onde o possesso está quando não é possível a remoção da pessoa possessa ou quando o Espírito Santo fale expressamente com o obreiro que ele deve ir até lá porque é lá que Ele vai operar maravilhas;

5º. Aprendi que, quando é demônio mesmo, que está se manifestando, a pessoa que está lidando com a situação precisa ter discernimento espiritual e maturidade para perceber com que tipo de espírito está lidando. Já vi demônios brincarem com os crentes e darem até gargalhadas das patetices que eles faziam. Não podemos entrar na onda dos demônios nem ficar entrevistando-os. Eles adoram situações como essas. Não é bom deixar pessoas sem experiências por perto, muito menos que participem da libertação do oprimido;

6º. Em algumas ocasiões eu me deparei com centenas de demônios em um corpo. Foi preciso muita persistência até que todos eles saíssem. Quando acontece isto, o desgaste físico é imenso;

7º. Tem pessoas que não querem ser libertas. Se o obreiro perceber esta situação, tem que arrumar alguma desculpa e cair fora para não ficar perdendo o seu tempo. Não se deve dar pérolas aos porcos – Mt 7:6 .

8º. Como disse o próprio Jesus, existem castas de demônios que são obstinados, extremamente desobedientes, insubordinados e teimosos. Somente o crente de vida consagrada, aquele que ora e jejua, mesmo, é que consegue expulsar Mt 17:21 ;

9º. Por último quero lhes dizer que é muito melhor a libertação que se ministra pela pregação da Palavra. Esse negócio de viver expulsando demônios não é boa coisa. Se alguém ficar possesso, é nosso dever tomar alguma providência e ter alguma atitude pela libertação da pessoa. Mas, o melhor mesmo é não viver provocando este tipo de coisa, porque, em geral, não dá frutos para o Reino de Deus.

Essa é minha opinião sobre o tema. Em Cristo, Sandoval Juliano – O Presbítero – 07.11.2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *