Projetos de Deus X Projetos do Diabo

Compartilhe

 

– Deus tem um plano para com a tua vida, meu amado irmão! E o projeto que Deus tem para ti é muito maior que tudo o que tens sonhado… Deus é altíssimo e seus projetos também são grandes!

É assim que norteamos uma pregação que tem por objetivo levar as pessoas a crerem que são importantes e que podem vencer. E esta é uma verdade bíblica presente, tanto na narrativa, quanto nas profecias da Palavra de Deus.

Eu creio que o Senhor tem um projeto para a minha vida e que esse projeto é grande. Creio tanto que em função disto tenho encontrado forças para seguir em frente, apesar de todas as adversidades.

Quando olhamos para o projeto que Deus tinha para a vida de Noé, Abraão, José do Egito, Moisés, Davi e Paulo, concluímos que Deus é um Deus de projetos grandes!

Acontece que há uma coisa que precisamos compreender e que é de suma importância para o cristão e especialmente para aquele que acredita que Deus tem para si um grande projeto e que, em muitos casos, já se sabe até qual é o projeto de Deus. O que precisamos saber é que paralelamente ao projeto de Deus, o diabo também tem seus projetos.

Para todo projeto de Deus na vida de uma pessoa, há um projeto do diabo. O inimigo sabe, com sua experiência milenar, quando alguém tem um enorme potencial para ser um vaso de honra e de crescimento para o Reino de Deus.

Veja no quadro abaixo a diferença entre os projetos de Deus e os projetos do diabo: 

 

PROJETOS DE DEUS

PROJETOS PARALELOS DO DIABO

Deus pode ter um projeto para a tua vida na área do louvor, na área da pregação itinerante, para o ministério pastoral, para o campo missionário, para a liderança de um ministério ou outros…

Os projetos do inimigo são muito parecidos com os projetos de Deus e sempre são feitos de tal forma que aqueles que são por ele envolvidos acreditam piamente que estão vivendo o projeto de Deus. Exatamente na área que ele percebeu que Deus quer te usar, ele vai apresentar uma proposta interessante

O projeto que Deus tem para se realizar através de você, pode ser um projeto que lhe dê visibilidade. Todavia, Deus pode lhe usar e uma grande obra ser realizada sem que ninguém sequer saiba quem foi que realizou aquele trabalho. Há grandes conquistas que foram registradas na história que foram promovidas por joelhos, por mãos e por atitudes anônimas, ou que pelo menos, ou que pelo menos foram anônimas em seus dias.

O inimigo sempre vai na contramão do que Deus planejou para sua vida. Propostas de trabalho que lhe tragam visibilidade serão sempre as que ele priorizará para você. Ele vai lhe convencer que é um absurdo você fazer um trabalho tão importante como o que você faz e permanecer no anonimato. Este pensamento vai lhe induzir à não se conformar mais com o tratamento que lhe dão e você vai procurar de todas as formas tornar visível o seu trabalho.

O tempo de Deus é sempre diferente do tempo do homem. A chamada de Abraão, por exemplo, visava resultados que se colheriam em séculos e milênios futuros. Quando Deus convocou Noé para a construção da arca, Ele tinha em mente uma catástrofe que ocorreria cem anos à frente.  Os frutos do trabalho de Paulo têm sido colhidos ao longo de dois mil anos. Certamente, em seus dias, Paulo não foi capaz de sondar a importância do trabalho que estava desenvolvendo. Pode ser que o projeto que Deus tem para mim seja para a próxima década. Mas, pode ser, também, que seja um projeto que minha geração não usufruirá dele, mas, quem sabe, uma geração futura, talvez venha se beneficiar do que faço hoje.

Os projetos do inimigo aceleram o cumprimento da promessa. No caso de Abraão, o projeto de Deus era Isaque, o inimigo trouxe a Abraão um projeto chamado Ismael. O nascimento de Ismael acelerou o cumprimento da promessa de Deus. Era como se Abraão tivesse encontrado um meio de demonstrar que ele não estava enganado a respeito do que Deus havia lhe prometido. Acontece que depois, os descendentes de Ismael se tornaram os mais ferrenhos adversários do povo de Deus. Se não ajustarmos o nosso relógio ao relógio de Deus, tudo o que fizermos voltar-se-á contra nós como problemas. O inimigo sabe disto, por isto ele nos induz a acelerarmos o cumprimento das promessas, para que depois fiquemos embaraçados com o resultado do trabalho prestado a Deus fora do tempo de Deus. Deus não recebe o resultado do trabalho que prestarmos a Ele fora da vontade dEle!

A razão porque Deus, muitas vezes, só nos coloca no lugar que Ele nos prometeu muitos anos depois da promessa ter sido feita, é que Deus trabalha o projeto dEle em nós até que estejamos maduros o suficiente para enfrentar quaisquer adversidades que surgirem. Deus espera que alcancemos a estatura de varão perfeito – Ef 4:13 . Moisés teve que passar 40 anos no palácio e quarenta anos no deserto para que soubesse portar-se diante das duas situações, na condução do êxodo.

O projeto paralelo do inimigo te diz que você foi planejado para o sucesso e que tempo é dinheiro; que você já está preparado e que deve começar já. Vimos isto na história de Moisés. Quando ele percebeu que Deus tinha um projeto de torná-lo o libertador de seu povo – Israel, Moisés foi convencido que o tempo já havia chegado e partiu para a realização do projeto. Na verdade, Deus só haveria de realizá-lo quarenta anos depois; Quantos obreiros tem saído para o campo missionário totalmente despreparados porque não souberam esperar o tempo do amadurecimento…

Vamos imaginar que Deus tenha planejado para a sua vida ser missionário em um país distante qualquer… A partir do momento que o Senhor lhe der o entendimento deste projeto, até que ele se realize, uma série de detalhes precisam ser preparados para que você possa fazer um trabalho bem feito para Deus… Conhecer a cultura, o idioma, o tipo de alimentação, detalhes históricos que resultaram na cultura que possuem hoje, estruturar as condições financeiras, esperar que a igreja lhe envie… Se o projeto é de Deus ele moverá os corações, mas isto costuma demorar… Na parábola da providência, em Lucas 14:25-25, Jesus fala de um homem que começa a construção de uma torre e não consegue inaugurá-la por falta de recursos, por não ter feito um orçamento adequado.

Os projetos do inimigo visam fazer com que a pessoa vá, o mais rápido possível, mesmo que seja exatamente para o lugar que Deus havia escolhido, mas, uma vez que a pessoa vai sem o devido preparo, corre o risco de voltar totalmente arrasado, frustrado e em alguns casos que conhecemos, até em pecado. Daí, ou a pessoa nunca mais vai ter condições de ser o missionário que Deus queria que ele fosse, ou ele vai demorar muitos anos para se recuperar do trauma e poder convencer a família a ir novamente para o campo missionário. É isso que o diabo deseja, dentro do próprio projeto de Deus, envolver a pessoa em um projeto paralelo e fracassado… Deixar a torre inacabada, levar o exército à guerra e depois descobrir que não tem condições nenhuma de vencer o exército inimigo… É exatamente este o propósito dos projetos paralelos do inimigo.

Uma das principais características dos projetos de Deus é que o seu escolhido passe pelo Calvário. Todo grande homem de Deus que realmente fez alguma coisa importante para Deus, passou pelo caminho da cruz.

No projeto paralelo do inimigo você não precisa, em hipótese alguma, passar pelo caminho da cruz. O inimigo facilita as coisas. Ele nos mostra atalhos, ele nos abre portas, ele nos diz que “sofrimento não é coisa de cristão”; que nós fomos chamados para o sucesso… Enquanto  todos os projetos de Deus tem um caminho que passa pelo Calvário, os projetos do inimigo nos distanciam de tudo o que se chama sofrimento. O diabo quer nos ver distante da cruz.

 

De forma que, se o projeto de Deus para sua vida é que você seja um cantor, o inimigo terá um projeto semelhante onde você cantará e fará sucesso cantando, mas não estará servindo aos interesses de Deus.

Se o projeto de Deus para sua vida é tornar você um pastor que cuide de Seu rebanho – Jo 21:17 , a ponto de você se tornar aquele pastor que “dá a sua vida pelas ovelhas” – Jo 10:11 , o inimigo lhe convencerá que esse negócio de “dar a vida” é coisa para derrotados. No projeto dele você vai ser um pastor de muito sucesso e prosperidade. O que você conseguirá para a sua vida material como pastor, no projeto disfarçado do diabo, você não conseguiria se prosseguisse na sua carreira profissional.

Se o projeto de Deus é que você construa uma “arca” para salvar a humanidade da destruição total, o inimigo há de lhe sugerir que ninguém pode entrar nessa arca sem desembolsar algum valor. De forma que a “arca” na tua vida se tornará uma grande fonte de lucro e prosperidade, ou pelo menos, de projeção social.

Se o projeto de Deus lhe conduz a ganhar almas em hospitais que cuidam de pessoas com câncer e que já não têm mais cura, o inimigo lhe dirá que você precisa criar uma ONG para arrecadar fundos do governo para que você alcance um número ainda  mais expressivo de almas. Quando você menos perceber já terá um prédio, vans, muitos funcionários e outros recursos e estará tão envolvido com a administração de tudo isto que não estará levando nenhuma alma mais ao Reino dos céus.

Por outro lado, embaraçar as pessoas no “nada” é um projeto do inimigo para nos desviar dos projetos divinos. Ficamos enojados com os desmandos de nossos líderes e achamos que não temos nada a fazer; ficamos nos achando tão pequenos diante da imensidão da obra de Deus que terminamos por não fazer nada; acreditamos que a família está no topo, da lista das prioridades, e então trabalhamos muito para dar à nossa família a comodidade que ela merece e precisa que não sobra tempo para fazer qualquer coisa para Deus. 

Sem falar nas atitudes pecaminosas que desenvolvemos; nos prazeres da carne que cultivamos; no tempo que passamos em entretenimentos, seja assistindo a programas televisivos, seja na internet, seja em outros passatempos e terminamos tão ocupados com nada que nada produzimos… Meu Deus! o inimigo tem seus meios de nos envolver em seus projetos de tal forma que mesmo sendo nós o “povo de Deus” terminamos mais por servir aos projetos do diabo do que aos projetos de Deus.

Quando deixo de orar, a quem interessa isto? Quando falo mal dos meus irmãos, a qual projeto estou me adequando? Quando voto em políticos cujos partidos são declaradamente comprometidos com temas como o homossexualismo e o aborto, com qual projeto estou contribuindo?  Quando passo mais tempo preocupado com quanto entrou de dízimo em minha igreja do que com quantas almas vou levar ao batismo no mês que vem, aos interesses de quem estou servindo? Quando acesso sites pornográficos, quando me debruço em literaturas profanas, quando contabilizo recordes de filmes assistidos, quando paro duas horas diante da televisão para assistir ao futebol, quando fico quatro horas seguidas brincando no vídeo-game, a qual projeto estou  apoiando?

Assim sendo, ficam as duas seguintes perguntas:

01) O nosso comportamento, o nosso estilo de vida, o que fazemos e o que deixamos de fazer, se adequam mais aos projetos de Deus ou aos projetos do diabo?

02) A quem, verdadeiramente, estamos servindo?

Em Cristo, vosso conservo, que chegou à conclusão que, às vezes, e por razões diversas, está  envolvido nos projetos disfarçados do inimigo, mais do que realmente comprometido com os projetos de Deus. Que Deus me perdoe e me dê discernimento espiritual para perceber, dia a dia, a minha posição e o meu grau de comprometimento com ambos os projetos, os de Deus e os do diabo. 

Sandoval Juliano, o presbítero, quase em Cristo – 07.10.2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *