O Livro de Números

Compartilhe
 
  Nm 1:1 FALOU mais o SENHOR a Moisés no deserto de Sinai, na tenda da congregação, no primeiro dia do segundo mês, no segundo ano da sua saída da terra do Egito, dizendo:
  Nm 1:2 Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de Israel, segundo as suas famílias, segundo a casa de seus pais, conforme o número dos nomes de todo o homem, cabeça por cabeça;
  Nm 1:3 Da idade de vinte anos para cima, todos os que em Israel podem sair à guerra, a estes contareis segundo os seus exércitos, tu e Arão.

O QUE APRENDEMOS NO LIVRO DE NÚMEROS?

I. APRENDEMOS QUE É DEUS QUEM COMANDA SUA OBRA E SEU POVO

          1. Por duas vezes, no livro de Números, vimos o Senhor ordenando a Moisés que tome a soma de toda a congregação dos filhos de Israel.

          2. Já em 1 Crônicas 21 vimos Davi, sem a orientação de Deus e por incitação do inimigo, realizando um censo em Israel que causou grande indignação e reprovação por parte de Deus.

> 1 Crônicas 21: 7 – E este negócio também pareceu mau aos olhos de Deus; por isso feriu a Israel.

          3. Com isso aprendemos que não podemos reproduzir uma determinada ordem de Deus só porque ela está registrada nas Escrituras. Precisamos aprender deixar que o Senhor conduza Sua obra, como nos dias da igreja primitiva.

> Atos 11:12 – E disse-me o Espírito que fosse com eles, nada duvidando…

> Atos 13:2 – E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.

> Atos 16:6 – E, passando pela Frígia e pela província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra na Ásia.

II. APRENDEMOS O MODO COMO O SACERDOTE DEVE ABENÇOAR O POVO DE DEUS

          1. “O Senhor te abençoe e te guarde…”

          2. Ao dizer “Assim abençoareis os filhos de Israel…” Deus estava estabelecendo um modelo de bênção a ser ministrado.

          3. Na Nova Aliança, utilizamos a “benção apostólica”, que segue a mesma linha de raciocínio, uma vez que a mesma observa o princípio estabelecido em Números 6:27.

III. QUE NINGUÉM DEVE FICAR SEM PARTICIPAR DA PÁSCOA

          1. Se alguém, por motivo justo, faltasse à páscoa, os sacerdotes deviam dar a eles uma nova páscoa, um mês após a festa principal.

> Números 9:10 – Fala aos filhos de Israel, dizendo: Quando alguém entre vós, ou entre as vossas gerações, for imundo por tocar corpo morto, ou achar-se em jornada longe de vós, contudo ainda celebrará a páscoa ao Senhor.

          2. Tendo a Santa Ceia uma correlação com a Páscoa, aprendemos com isso que é um direito de todo membro da igreja participar da Santa Ceia e que, a igreja, através de seus obreiros, deve realizar uma Santa Ceia à parte para o membro que esteve impossibilitado de participar, tendo este uma justificativa para não ter podido estar presente.

IV. APRENDEMOS QUE QUEM DEIXA DE PARTICIPAR DA SANTA CEIA INJUSTIFICADAMENTE, DEVE FICAR FORA DA COMUNHÃO.

          1. Assim como é dever da igreja oferecer a Santa Ceia para seus membros, é dever de todo membro participar dela.

          2. Aquele que não fez questão de estar presente e de participar da Santa Ceia, deve permanecer suspenso da comunhão e consequentemente do exercício de suas atividades durante aquele mês até à realização da próxima Ceia.

> Números 9:13 – Porém, quando um homem estiver limpo, e não estiver em viagem, e deixar de celebrar a páscoa, essa alma será extirpada do seu povo; porquanto não ofereceu a oferta do Senhor a seu tempo determinado; esse homem levará o seu pecado.

No texto “O Livro de Números – Parte II” veremos mais alguns aprendizados extraídos do livro de Números. Não deixe de ler o texto II.

Em Cristo, Sandoval Juliano – 28 de fevereiro de 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *