O Livro de Rute e Suas Preciosas Lições – Parte II

Compartilhe
                                                                                
          Ao estudarmos o livro de Rute, observamos que o objetivo deste livro ter sido inserido no cânon das Escrituras, dentre outros, foi o de mostrar como a genealogia de Jesus foi sendo formada ao longo do tempo.
          A Bíblia é cristocêntrica, isto é, tudo nela gira em torno da pessoa e da obra de Cristo. Desta forma, alguns textos, como o capítulo 38 de Gênesis, foram, providencialmente, incluídos nas Escrituras, para completar informações necessárias à construção da biografia de Cristo.
          O capítulo 3 do livro de Rute trata da aproximação feita por Rute à Boaz. Orientada por Noemi, ela demonstrou a Boaz que estava afeiçoada a ele e que precisava da intervenção dele para que lhe fosse restituída a propriedade que fora de Elimeleque e por consequência de Malon e para que ela pudesse gerar filhos sem receber por isso o tratamento que uma adúltera recebia.
                                                                                                  
Em Israel se praticava o Goelato e o Levirato.
                                                                                                     
O Goelato – Do hebraico G’l – ou Go’el – significa “comprar de volta ou remir”. Era o costume previsto por Lei de que no caso de morte, um parente próximo poderia herdar os bens deixados pelo que morrera, caso ele não tivesse filhos nem irmãos.
                                                                                                         
O Goelato está previsto na Bíblia em Levítico 25:25-27.     
                                                                                                                            
O Levirato – Era o costume observado entre alguns povos, e especialmente pelo povo de Israel, que obrigava um homem a casar-se com a viúva de seu irmão quando este não deixasse descendência masculina, sendo que o filho deste casamento seria considerado descendente do morto. O vocábulo deriva da palavra “levir”, que em latim significa “cunhado”.
                                                                                                                                
O Levirato está previsto na Bíblia em Deuteronômio 25:5-10. 
                                                                                                                                  
          Como Noemi e Rute eram do sexo feminino e não tinham nenhum filho homem, elas já consideravam perdidos os bens pertencentes aos seus maridos. No entanto, Noemi sabia que Boaz era um bom homem, era temente a Deus e era conhecedor da Lei do Goelato e do Levirato.
          Por providência divina, quando Boaz tomou conhecimento da boa conduta de Rute, ele decidiu observar fielmente todas as cláusulas da Lei do Levirato, para que não pairasse sobre ele qualquer suspeita de ter se aproveitado da fragilidade de Rute, que estava viúva.
          O primeiro propósito do casamento pelo levirato era perpetuar a linha familiar daquele que morreu. Boaz convocou um parente seu que, de acordo com a Lei, tinha a primazia para possuir em herança os bens deixados por Elimeleque, porém, o mesmo, ao tomar conhecimento que para possuir tais bens precisava casar-se com Rute e suscitar um herdeiro a Malon, o filho de Elimeleque que havia falecido, este não quis e abriu mão do direito que lhe pertencia, passando para Boaz tal direito.
                                                                                                                                  
DESCALÇAR OS SAPATOS
                                                                                                                  
          A renúncia e a transferência dos direitos legais eram ratificados pelo ato de descalçar um sapato. Era uma garantia, dar o sapato à pessoa com quem se fazia a transação.
          O cunhado que se recusasse a cumprir com o levirato era levado à praça pública, na presença de testemunhas e dos anciçãos, e a viúva descalçava-lhe um dos pés e cuspia em seu rosto, declarando com isso o quanto ele era um cidadão indigno, um israelita desonrado, uma vez que se recusou a suscitar um herdeiro ao seu irmão falecido.
          O parente de Boaz se antecipou, descalçando seu pé e dando a Boaz o seu sapato, declarando com isso que abria mão do direito do goelato que possuía uma vez que não estava disposto a praticar o levirato.
          Foi neste momento que Boaz declarou em alto e bom som que por direito ele se casaria com Rute, cumprindo para com ela o goelato e o levirato.
                                                                                                                         
BOAZ – GO’EL E LEVIR
                                                                                                                     
          Boaz comprou e restituiu todas as propriedades que houvera sido de Elimeleque a Noemi e a Rute. Mas, não apenas resituiu os bens, ele casou-se com Rute e a engravidou, permitindo que o filho gerado recebesse a paternidade de Malon, esposo de Rute que havia falecido. Com isso Boaz estava abrindo mão de ser o legítimo dono das propriedades que acabara de comprar. As propriedades seriam de Noemi, de Rute e do filho que agora gerara, mas não seriam dos demais filhos que  porventura Boaz já tinha.
          Ao restituir os bens materiais, ele estava fazendo mais que isso, estava restituindo a Noemi e a Rute a dignidade e a honra. Elas, por serem mulheres viúvas e sem filhos, estava condenadas a viverem na marginalidade, seriam zombadas, criticadas, vistas como mulheres amaldiçoadas. Elas corriam o risco de terem que se prostituir para seu proprio sustento. Boaz estava livrando elas duas de tudo isto. Elas agora tinham um lar, um nome e um marido.
                                                                                                
BOAZ – FIGURA DE CRISTO
                                                                                                           
          Boaz, além de entrar para a genealogia de Cristo, ainda se tornou dele uma figura. Cristo, à semelhança de Boaz, nos restituiu tudo o que o diabo havia nos roubado no Édem, nos tornou filhos por adoção e nos constituiu herdeiros do céu.
                                                                                                  
> Efésios 1:5 – E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade    
                                                                                             
> Efésios 1:7 – Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça,
                                                                                            
> Romanos 8:17 – E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.                   
                                                                                                                  
> Romanos 3:24 – Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
                                                                                                                     
Em Cristo, Sandoval Juliano – 01 de julho de 2013.
                                                                          
                                                                                                           
                                                                                                                        
                                                                                                
Fonte de consulta:
                                                                                               
                                                                                         

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *