Mateus 13: 1 – 23

Compartilhe

 

Comentário Bíblico – Novo Testamento – Mateus 13: 1 a 23

 
  Mt 13:1 TENDO Jesus saído de casa, naquele dia, estava assentado junto ao mar;
  Mt 13:2 E ajuntou-se muita gente ao pé dele, de sorte que, entrando num barco, se assentou; e toda a multidão estava em pé na praia.
  Mt 13:3 E falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.
  Mt 13:4 E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na;
  Mt 13:5 E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda;
  Mt 13:6 Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz.
  Mt 13:7 E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.
  Mt 13:8 E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta.
  Mt 13:9 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.
  Mt 13:10 E, acercando-se dele os discípulos, disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas?
  Mt 13:11 Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado;
  Mt 13:12 Porque àquele que tem, se dará, e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado.
  Mt 13:13 Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem.
  Mt 13:14 E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis.
  Mt 13:15 Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, E compreendam com o coração, E se convertam, E eu os cure.
  Mt 13:16 Mas, bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem.
  Mt 13:17 Porque em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram.
  Mt 13:18 Escutai vós, pois, a parábola do semeador.
  Mt 13:19 Ouvindo alguém a palavra do reino, e não a entendendo, vem o maligno, e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o que foi semeado ao pé do caminho.
  Mt 13:20

O que foi semeado em pedregais é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria;

  Mt 13:21 Mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração; e, chegada a angústia e a perseguição, por causa da palavra, logo se ofende;
  Mt 13:22 E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera;
  Mt 13:23 Mas, o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta.

 

Trata-se da parábola do Semeador – Esta foi a primeira parábola proferida por Jesus e é uma parábola que nos ensina o que devemos fazer diante das reações à pregação do Evangelho.

Quantas vezes ficamos sem entender porque algumas pessoas  rejeitam o Evangelho, outras até demonstram interesse mas não se firmam no Evangelho e outras o recebem e o abraçam e logo dão frutos para a glória de Deus.

O semeador, nesta parábola, é o evangelista, aquele que prega a mensagem do Evangelho;

A semente é a mensagem do Evangelho;

As terras, onde a semente foi lançada, representam os corações dos que ouvem a mensagem do Evangelho;

E, em cada um dos terrenos aconteceu um fato marcante:

1º terreno – No terreno denominado “à beira do caminho”, o fato mais marcante foi a presença das aves, que iam logo atrás do semeador e comiam as sementes. Esta informação, contida nesta parte da parábola é, talvez, a mais importante dela. O inimigo, representado pelas aves, acompanha o pregador da Palavra de Deus, procurando roubar das pessoas o entendimento da Palavra. O pregador não deve apenas sair para falar de Jesus. É necessário que o pregador, antes de sair, ganhe as almas para Cristo em oração. É indispensável ter orado antes, para pedir ao Senhor que envie seu anjo, repreendendo as “aves”, cortando os embaraços, preparando as circunstâncias, repreendendo todas as investidas de Satanás. Mesmo depois de ter sido lançada a semente, é necessário, também, orar e pedir ao Senhor que cubra aquela pessoa e a proteja, para que a mensagem possa ser recebida, entendida e compreendida.

Todavia, de qualquer forma, o evangelista precisa compreender que encontrará pelo caminho, corações áridos, pisados, escandalizados. Terrenos impróprios para a fecundação da semente. Pessoas há que nunca se converterão. Ainda assim, é dever do pregador lhes anunciar as boas novas de salvação.

É interessante como no Reino de Deus algumas pessoas foram chamadas para ganhar almas. Enquanto isto, outras pessoas foram chamadas para arrancar toco, para aplainar o caminho. Outras, ainda, foram chamadas, apenas para servir de testemunha, no Dia do Juízo, de que aquele povo foi evangelizado.

De qualquer forma, meu irmão ou minha irmã, faça a obra de Deus. Nem que você nunca contabilize uma alma salva para Cristo, mediante a sua pregação. Mesmo assim, faça. A importância do seu trabalho será aferida por Deus. Ele é quem sabe a importância da obra de cada pessoa. Houve um momento em que o profeta Isaías achou que seu trabalho não tinha valor algum, diante da rejeição que seu ministério recebia. Então ele deixou registrado, no capítulo 49, 4 – Porém eu disse: Debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia o meu direito está perante o SENHOR, e o meu galardão perante o meu Deus”.

2º terreno – No terreno denominado “pedregais”, o fato mais marcante foi a ausência de terra para que as raízes pudessem se fixar. Como existem corações ocupados por filosofias, por sofismas, por tradições religiosas, por superstições e outros pedregulhos que se tornam um obstáculo à obra do Espírito Santo! Assim como os médicos não existem para os sãos, aqueles que se julgam detentores de sabedoria e conhecimento e que exaltam essa sabedoria e esse conhecimento como se eles fossem um seguro de vida, certamente não recebem a mensagem do Evangelho. Quando a recebem, recebem apenas superficialmente, apenas no nível do intelecto, mas logo encontram defeito ou acham que o Evangelho é simples demais para receber crédito.

A mensagem do Evangelho só faz efeito no coração que se rende. Enquanto o homem estiver em um pedestal, olhando para o Reino de Deus como peninha, como se o Reino de Deus fosse coisa para os incautos, a mensagem do Evangelho se manterá neutra. Jesus Cristo afirmou várias vezes que veio para os perdidos. Enquanto o homem não perceber que está perdido, não será alcançado pelo Evangelho.

3º terreno – O terceiro terreno é chamado de “espinhoso”. Trata-se de pessoas cujos corações só pensam no lucro e nos prazeres. São os hedonistas. A pessoa aceita a pregação do Evangelho porque ela mecheu com suas emoções e lhe pareceu bastante cômoda. Mas, em seguida, a pessoa percebe que “estreita é a porta e apertado o caminho“. 

Toda pessoa que vem para o Reino de Deus pensando em se dar bem, ou se decepcionará e cairá fora, ou será um obreiro fraudulento, vigarista, interesseiro, capaz de manipular a obra para se beneficiar dela.

4º terreno –  Esse terreno é o coração chamado de “terra boa”. Terra boa, não porque a pessoa seja uma boa pessoa. Não se trata daquela pessoa que ao chegar na igreja o pastor logo pensa: “que benção que essa pessoa se converteu, vai ajudar bastante nesta obra”. Geralmente quando alguém diz assim é porque a pessoa em questão tem boas condições financeiras ou ocupa alguma posição de importância na sociedade.

Terra boa é  coração que está em condições de receber o Evangelho sem criar qualquer obstáculo. É o coração quebrantado, arado, úmido, desejoso de salvação. Trata-se da pessoa que crê no Evangelho e o recebe como ele é; que abraça o Evangelho como o náufrago abraça uma boia que lhe foi lançada.

Jesus afirmou que a pessoa, nessas condições, dará frutos. Cada um dará frutos equivalentes ao tempo que lhes restará ou à capacidade que tem de atuar no Reino de Deus. O tamanho, a quantidade e a qualidade do fruto será conhecido no Tribunal de Cristo. Mas, certamente haverá fruto – Jo 15:8 .

Em Cristo, Ev. Sandoval Juliano – 09 de junho de 2010 .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *