Ser Pai é…

Compartilhe

 

O dia dos pais chegou… Pensando no que dizer aos pais, refleti um pouco sobre o fantástico papel de um pai perante Deus e a sociedade. Então lembrei que, entre as muitas atividades que um pai deve desenvolver, a que envolve maior responsabilidade é a de instrutor. Pai é aquele que instrui. Se imaginarmos a vida de uma criança como um imenso livro com páginas brancas, sem índice para ser consultado e sem roteiro predefinido, o papel do pai como instrutor é conduzir a criança que está sob sua responsabilidade, a escrever nas páginas do livro de sua existência aquilo que fará e que será nesta vida.

Ser pai, portanto, é muito mais do que simplesmente ser pai… Vai além do dever de dar comida, casa, roupas e calçados, proteção e educação. É dar diretrizes, é riscar nesta folha branca e dizer ao filho – Escreva!

As diretrizes que o pai deve dar aos filhos não se resume apenas em ditar orientações verbais. As diretrizes são constituídas de um conjunto de instruções, indicações e regras gerais que devem ser dadas pelo exemplo de vida, pelo modo como o pai se comporta diante de cada situação que a vida proporciona.

É a partir da figura do pai que o filho adquire a idéia ou conceito de quem seja Deus, autoridade, esposo, amigo, protetor, homem. Ou seja, é olhando para o pai que o filho vai escrevendo o preâmbulo do próximo ou dos próximos capítulos de sua vida…

Dentro deste ponto de vista, é importante observar que ao pai cabe, apenas, a responsabilidade de riscar a linha para o filho escrever. O pai não deve querer escrever, ele deve apenas instruir. E, para instruir, o pai, muitas vezes, vai precisar de sabedoria para permitir que o filho aprenda observando a vida, criando meios que faça com que o filho se desenvolva, se mova, cresça, ande com seus próprios pés.

Tudo isto deve ser baseado no amor. No amor sem reservas. No amor que não exige pagamento. O pai não deve criar seus filhos para si, esperando que mais tarde eles venham servir apenas aos seus interesses, como se fossem suas criaturas. Os filhos devem ser criados, primeiramente, para Deus e depois, para o mundo, para a vida. Neste aspecto, o pai é apenas o tutor, o instrutor.

No Salmo 127:4 diz que como flechas nas mãos do arqueiro, assim são os filhos da sua mocidade. O arqueiro é aquela pessoa qualificada para dar um destino à flecha. Dificilmente um arqueiro erra seu alvo. Este texto bíblico não é um jogo de palavras. Ele está a nos dizer que os filhos devem ser destinados a um propósito. Cabe ao pai, como arqueiro, apresentar ao filho diretrizes que o faça seguir um rumo na vida.

Se todos os pais pensarem assim e se comportarem assim, teremos uma geração de pessoas comprometidas com Deus, com a sociedade e com a vida. Teremos menos pessoas egoístas que vão deixar de viver em função apenas do que lhes pertence. Teremos cidadãos que compartilham, e que formam novos cidadãos para compartilhar.

Portanto, neste próximo dia dos pais, que possamos comemorar a tão nobre missão que Deus nos outorgou, porque afinal de contas, se Deus é pai, ser pai é representar Deus nesta terra! Feliz dia dos pais!

Em Cristo, Sandoval Juliano – O Presbítero – 15.07.2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *