Três Razões Para Não Morrer Hoje

Compartilhe

                                                                                                  

               O homem estava pegando as chaves do carro (a mulher já tinha saído para levar as crianças à escola), quando tocaram a campainha.

               Vagamente irritado, pois já se atrasara bastante, ele abre a porta:

– Sim?

               O rapaz alto e estranho, andrógino, belo e feio, alto e baixo, negro e louro, faz um sinalzinho, como quem está convidando para acompanhá-lo, dobrando o indicador:

– Vim buscar você!

               Não era preciso explicar, o homem entendeu na hora: O Anjo da Morte estava ali e não havia como escapar.

               Todavia, acostumado a negociações, mesmo perturbado, o homem rapidamente pensou que era cedo, cedo demais para morrer e tentou argumentar:

– Mas, como,o quê? Agora, assim sem aviso, sem nada? Nenhum prazo decente?

               O Anjo sorri, um sorriso bondoso e perverso, suspira e diz:

– Mas ninguém tem a originalidade de me receber com simpatia nesse mundo, ninguém nunca está preparado. Está certo que você só tem 40 anos, mas mesmo os de 80 se recusam…

              O homem agarrou mais firme a chave do carro, que afinal encontrara no bolso do paletó, e insistiu:

– Vem cá, me dá uma chance.

               O Anjo teve pena, aquele grandalhão estava realmente apavorado…

– Ah, os humanos…

               Então teve um acesso de bondade e concedeu:

– Tudo bem… Eu te dou uma chance, se você me der três boas razões para não vir comigo desta vez.

               Passava um brilho malicioso nos olhos azuis e negros daquele Anjo.

               O homem aprumou-se… Ela sabia que ia dar certo, estava se saindo bem, sempre fora um bom negociador. Mas, quando abriu a boca para começar sua ladainha de razões, muito mais que três… o Anjo ergueu o dedo imperioso:

– Espera aí… Três boas razões, mas… não vale dizer que seus negócios precisam ser organizados; que sua família não está garantida; que sua mulher nem sabe assinar cheques; que seus filhos nada sabem da realidade da vida… O que interessa é você… você mesmo. Por que valeria a pena ainda te deixar por aqui algum tempo?

                                                                                 

Texto extraído do livro: Perdas & Ganhos de Lya Luft

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *