A Origem do Pecado

Compartilhe

 

“Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram”. – Romanos 5:12.

À procura de uma definição para a palavra pecado encontramos os mais variados conceitos, mas, em resumo, sabemos que pecado é errar o alvo, é transgredir um mandamento divino.

No entanto, hamartia tem muito mais que esses simples significados. A gênese e a dinâmica dessa palavra passa pela idéia de que Deus, como Soberano Criador do universo, estabeleceu princípios baseados na Sua capacidade de conhecer fatos e possibilidades futuras. Por esses princípios, tudo e todos deveriam viver na mais plena harmonia, saúde e felicidade. A criação é resultado de um planejamento, de um projeto onde tudo foi pensado, todas as possibilidades de erro e fracasso foram analisadas. E quem fez esta análise é simplesmente aquele que conhece todas as coisas.

Cristo é o alvo de toda a criação – “Porque dEle, por Ele e para Ele são todas as coisas” – Rm 11:35 . Desde os anjos até ao menor de todos os insetos, tudo e todos foram criados para Ele.

Atentar para os princípios estabelecidos por Deus significa concordar que Ele sabe o que faz e como resultado o nome do Senhor Jesus é glorificado.

Não atentar para os princípios ou infringi-los significa, por consequência, discordar de Deus.

Pecado, portanto, tem o sentido de andar na contra-mão da vontade de Deus. Tem o sentido de discordar de Deus. É o mesmo que dizer que Deus se enganou, se equivocou neste ou naquele aspecto. Pecado é mais que errar o alvo; é mais que transgredir um mandamento divino. Pecado é um ato através do qual a pessoa diz a Deus que discorda dEle.

Na história da origem do pecado o homem foi confrontado pelo arqui-inimigo de Deus quando este disse ao homem que ele era muito mais capaz, porém, Deus o havia privado de ir além; que Deus havia limitado sua a inteligência e a capacidade.

Não foi a vontade de saber o sabor que fez Eva e Adão, respectivamente, provarem aquela fruta. Não foi a necessidade de algum nutriente para o organismo deles que despertou o paladar.

O que fez o homem comer o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal foi a idéia de que Deus pudesse estar equivocado; que Deus pudesse estar errado.

Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal“. – Gênesis 3:5.

O que fez com que aquele pequeno gesto fosse considerado pecado foi a afronta. Dizer a Deus que Ele está errado é uma afronta.

Porque, quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?” – Rm 11:34,35 .

É isto que Lúcifer faz desde o princípio, ele sugere a todos que Deus está errado; que Deus é mal intensionado; que Deus tem planos obscuros; que Deus tem uma falsa bondade.

É aí que está a origem do pecado – suspeitar da bondade de Deus!

Quando alguém anda na contra-mão da vontade de Deus, não importa em que aspecto de sua vida, está dizendo que não acredita plenamente na bondade de Deus; que suspeita se a vontade de Deus é realmente perfeita.

E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus“. – Romanos 12:2 .

Dentre todas as criaturas, no plano material, o homem é a principal. É para o nosso bem estar que Deus dotou a natureza de enorme capacidade de produzir tudo o que precisamos para viver.

A fim de que o homem vivesse abundantemente e com isso pudesse refletir Sua glória na terra; a fim de que o homem pudesse ser o regente deste Planeta e com isso glorificasse a Cristo, a razão da existência de tudo o que existe, Deus deu inúmeras dicas. Aquilo que chamamos de mandamentos, contidos na Bíblia, são, na verdade, dicas de como viver bem e como atender ao eterno propósito de Deus.

Os 613 mandamentos contidos na Palavra de Deus expressam o cuidado de Deus para conosco. Eles não constituem um fardo. São apenas dicas. A desobediência aos mandamentos bíblicos não implicam em condenação. Ninguém vai para o inferno por causa da prática deste ou daquele pecado.

Só que ao deixarmos de atentar para essas dicas, afrontamos a Deus e com isso atraímos as mais diversas consequências para nossa breve existência nesta terra. Poderíamos completar nossos anos com saúde, em paz e desfrutando de tudo o que está à nossa disposição. Mas, quando andamos na contra-mão das dicas que Deus nos deu, “quebramos a cara”, arrumamos problemas para nossa saúde, para nossos relacionamentos, para nosso espírito e para nossa psiquê.

No texto II falaremos sobre porque o pecado passou de Adão para todos os seus descentes de forma hereditária.

Em Cristo, Sandoval Juliano – O Presbítero – 07.02.2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *