04 – A Septuagésima Semana de Daniel

Compartilhe

 

  A GRANDE TRIBULAÇÃO 

Já estudamos o calendário escatológico, baseado na visão das setenta semanas de Daniel; já estudamos os sinais que antecedem a Vinda de Cristo para arrebatar a sua Igreja; já estudamos o arrebatamento – Quando e como será – Agora estudaremos o que acontecerá na terra imediatamente após o arrebatamento.

A Grande Tribulação será um período de tempo de sete anos, que nós dividiremos em duas etapas, de três anos e meio cada, para facilitar o nosso estudo.

          Estudaremos hoje os acontecimentos da primeira metade dos sete anos:

I.                    No momento do arrebatamento se cumprirá o que está escrito em Apocalipse 12.7-12  (leia, por favor).

            O local de habitação de Satanás hoje é “as regiões celestiais”, ou seja, ele mora nos ares, um pouco distante da terra – Ef 6.12.  Na terra ele e seus demônios agem, trabalham. Por aqui ele somente passeia de vez em quando – Jó 1.7. No dia do arrebatamento ele será derrubado das regiões celestiais para a terra, ou seja, ele passará a habitar na terra – Ap12.8. Se hoje, só passeando pela terra ele já faz um estrago nas vidas e na natureza, imagine ele morando aqui…

O mundo onde habitamos é totalmente físico. Satanás é espiritual. Ele precisará de um corpo físico para atuar com mais liberdade. Então, ele vai incorporar em um homem, que já estará preparado para isto. Ao incorporar neste homem ele iniciará uma campanha em nível mundial para ser o senhor da Terra. O mundo estará alarmado com a notícia do arrebatamento. A confusão será geral. Ele então vai começar a dar resposta para todas as perguntas dos homens; Vai apresentar um plano de governo muito sábio e começará a convencer a todos os reis da terra, tornando-os aliados. Seu plano de governo será forte o suficiente para conquistar a humanidade. A Bíblia chama a este personagem de “A Besta que surgiu do mar” (Ap 13.4), anticristo, o Iníquo. Ele será o político mais popular que já existiu no mundo. Esse homem conseguirá juntar árabes e israelenses. O mundo viverá um período de progresso econômico generalizado, que agora nem podemos imaginar. Esse homem conseguirá implantar nessa época um reino, um povo e um líder. Todos o exaltarão como o que trouxe a paz. Israel o aceitará como o Messias e, durante três anos e meio só haverá prosperidade.

II.                  Neste período, Deus selará dentre os israelitas a 144.000 homens que serão protegidos especialmente durante todo o restante da Grande Tribulação.

                Qualquer pessoa que se converter a Cristo será perseguido, preso e degolado pelos agentes do anticristo. Já os 144.000, porém, serão intocáveis e pregarão em todo o mundo com grande autoridade. Milhares de pessoas se converterão com a pregação deles e ninguém os ferirá. Eles serão israelitas mesmos. De cada tribo de Israel o Senhor escolherá a 12.000 homens. A virgindade a que se refere o apocalipse fala de pureza na religião e no serviço a Deus. Serão pessoas íntegras e realmente convertidas.

III.                Gogue e Magogue. Este será mais um dos acontecimentos que terão seu desfecho na primeira metade dos 7 anos.

                A terra do norte, conforme descrita em Ezequiel 38 e 39, corresponde à região da antiga União soviética, tendo a Rússia como ponto central. Portanto, deduz-se do texto que a Rússia fará uma aliança com vários países africanos e alguns países muçulmanos e marchará poderosamente contra Israel já no fim da primeira metade. Esta guerra com uma enorme mortandade é chamada pela Bíblia de Gogue e Magogue. Nela Israel sairá vitorioso e o anticristo se fortalecerá.

   

IV.                Tão logo encerre esta guerra dar-se-á início à construção de um enorme templo em Jerusalém.

                Nesta época surgirá a 2ª Besta, a “Besta que surgiu da Terra”. Será um líder religioso que auxiliará a 1ª Besta na formação de uma religião mundial. Israel estará totalmente aliado à Besta acreditando ser o Messias prometido até que esta segunda Besta surpreenda a todos construindo uma estátua que anda e fala. Ela, então, exigirá adoração ao anticristo como se ele fosse um Deus. Isto acontecerá exatamente no fim da primeira metade. Esta Besta fará sinais e maravilhas e terá uma capacidade de convencimento fora do comum. O templo estará construído; Israel se assustará com a declaração da Besta de que ele é Deus e deve ser adorado. Logo após se iniciará a exigência de que todas as pessoas sejam cadastradas como adoradores da Besta (Com o nº 666).  Até aqui o mundo estará desfrutando de uma falsa paz. Nenhuma catástrofe, nenhum episódio em escala mundial. Então o apóstolo Paulo afirma: “Quando disserem: Há paz e segurança, haverá repentina destruição, como vem a dor do parto àquela que está para dar à luz” – I Ts 5:3.

          A entrada da segunda metade da Grande Tribulação será o rompimento da aliança de Israel com o anticristo. Israel pode até aceitar o anticristo como o Messias, mas como Deus, jamais. De uma vez por todas, o povo de Israel foi curado da idolatria e prá eles só Jeová é Deus e pronto.

Nosso próximo assunto será o que estará acontecendo no céu com a Igreja durante esta primeira metade da Grande Tribulação. Em seguida falaremos sobre as conseqüências do rompimento da aliança de Israel com a Besta.

                                                                                                 Em Cristo, Pb. Sandoval Juliano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *