Em verdade, em verdade, vos digo…

Compartilhe

          A expressão – Em verdade, foi utilizada pela primeira vez no Novo Testamento, por João Bastista quando disse: “Em verdade eu vos batizo com água, mas aquele que vem após mim, é mais poderoso que eu…” Esta expressão, neste caso, pode ser traduzida por – na verdade, ou na realidade.

          Já a expressão – Em verdade vos digo, era uma expressão muito utilizada por Jesus. Por 65 vezes está registrado nos Evangelhos que Ele iniciou uma frase ou uma sentença com estas palavras.  No Evangelho de João esta expressão aparece reforçada por uma proposital repetição. Lá aparece, em verdade, em verdade vos digo, ou na verdade,  na verdade, vos digo. A repetição da expressão – Em verdade,  empregada por Jesus, denota que a sentença pronunciada em seguida era uma verdade que emanava de Cristo. Não era fruto do achismo, não provinha de uma filosofia humanista, não era uma hipótese e nem era para ser questionada.

          A sentença que era precedida da expressão – Em verdade, era algo que havia sido decidido por Deus e resumia a vontade de Deus em Cristo. Quando Jesus disse a respeito do centurião: “Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé” foi como se quisese dizer: “Era isto que eu, no mínimo, esperava encontrar em Israel”.

          A expressão – Em verdade, também era uma revelação antecipada de alguma verdade ou segredo que estava oculto em Deus. Por exemplo, em Mateus 10.15 Jesus disse: “Em verdade vos digo que no dia do juízo haverá menos rigor para Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade“. Jesus estava revelando um critério de julgamento que será utilizado em tempos futuros. Era um tipo de conhecimento que somente Ele possuía e que já estava predeterminado na presciência de Deus. Um outro exemplo disto encontramos em Mateu 18.18 quando Ele disse que “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na tera será ligado no céu“. Jesus estava revelando aos discípulos aquilo que podemos chamar de segredos do Reino.

          Esse mesmo tom de revelação de um conhecimento que só Ele possuía foi usado em Mt 13.17 quando Jesus disse: “Em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes e não o viram…” Somente quem tem a onisciência pode fazer essa afirmação, em verdade. Quando falamos da possibilidade de alguém que já morreu ter desejado alguma coisa, falamos em hipótese. Jesus falava em verdade, porque tinha conhecimento.

          Às vezes, a expressão – Em verdade, indicava que Ele era capaz de dar uma interpretação correta dos textos de difícil interpretação nas Escrituras, como no caso de Mateus 17.11 quando o Senhor Jesus interpretou aquele texto do Antigo Testamento que dizia que importava que Elias viesse primeiro. Jesus então disse: “Em verdade vos digo, que Elias virá primeiro(…) mas, na verdade vos digo que Elias já veio…

          Portanto, a expressão – Em verdade, pronunciada tantas vezes por Jesus, era uma espécie de garantia de que o que Ele diria em seguida era digno de aceitação, que merecia confiança, que Ele próprio assinava em baixo conferindo autenticidade.

          Eu pesquisei, contei, li e reli todos os 65 textos dos Evangelhos onde Jesus iniciou uma sentença com a expressão – EM VERDADE, e percebi que há pelo menos 3 lições que podemos tirar deste fato:

1ª LIÇÃO – AS VERDADES PRONUNCIADAS POR JESUS ERAM SUAS VERDADES

          Em Mc 12:13 ; e Mc 12:14 ; encontramos os fariseus e os herodianos sendo obrigados a confessarem que o que mais eles admiravam em Jesus era o fato de que com verdade, ou em verdade Ele ensinava os preceitos de Deus. Em Jo 17:17 ; Jesus pediu ao Pai que santificasse os seus discípulos na verdade, que era a palavra que emava de Deus. Em Jo 14:6 ; Ele havia afirmado que era o caminho, a verdade e a vida. João, evangelista, iniciando seu livro, escreveu de Jesus que Ele era o verbo de Deus, que estava desde o princípio com Deus e que agora havia se manifestado aos homens em forma de homem. Ou seja, todas estas e outras referências apontam Jesus como sendo a verdade. Portanto, somente quem é a verdade pode falar toda a verdade e – em verdade.

2ª LIÇÃO – QUE JESUS TINHA UM COMPROMISSO COM A VERDADE

          Conhecedor que era da história de Israel e da maneira como os sacerdotes e os demais líderes do povo judeu deixavam de ensinar a verdade para o povo, uma vez que, se ensinassem a verdade, ela denunciaria contra eles mesmos, Jesus sentiu que o maior anseio do povo era encontrar alguém que lhes falasse a verdade a respeito de Deus.  Cícero, orador e político italiano que viveu algumas décadas antes de Cristo, havia dito: “ Nossas mentes possuem por natureza um insaciável desejo de saber a verdade”. O compromisso que Ele tinha com a verdade era resultante do fato de que Ele sabia que somente a verdade libertaria o povo da ignorância e da opressão. O povo corria para ouvir Jesus exatamente porque saciavam nEle sua sede de ouvir a verdade. NEle não há engano, não há trevas e nem sombra de dúvidas. Cristo é a verdade que liberta; a verdade que orienta; a verdade que revela; a verdade que incomoda o pecador em seu estado de pecaminosidade; a verdade que esclarece. NEle está toda a verdade e tudo o que Cristo disse e diz é verdade. Frank Peretti, escritor americano, disse, em um dos seus livros: “ Adquirimos um profundo respeito pela verdade quando temos de ajudar a reconstruir vidas construídas sobre a mentira”. e, foi isso que Jesus fez.

3ª LIÇÃO – QUE JESUS QUERIA QUE OS SEUS OBREIROS FOSSEM HOMENS COMPROMETIDOS COM A VERDADE

          Quando questionaram a Cristo sobre o que Ele achava de João Batista, Jesus disse que entre os nascido de mulher não havia ninguém maior que João. – O que Jesus viu em João para dar um testemunho tão forte sobre ele? Teria sido o número de milagres e sinais que ele realizou; o número de almas que ganhou para o Reino dos Céus; a sua popularidade; a profundadidade de suas profecias; o fato de ele ser seu primo? Nada disso. A razão porque João foi considerado o maior para Jesus é porque: “Na verdade João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse deste era verdade” – Jo 10:41 .

           Se eu não me engano, foi Shakespeare quem disse: “Enquanto viveres, dize a verdade”. Se isto é válido a todos os homens, muito mais aos obreiros do Senhor Jesus. Que possamos ser obreiros, que como Cristo, pregava e ensinava a verdade e em verdade. Que possamos saciar a sede que nosso povo tem, nos dias conturbados que vivemos, de ouvir a verdade. Os políticos mentem, os governantes mentem. A impressão que temos é a de que todos mentem. Mas, ao servo do Senhor Jesus, cabe tão somente falar a verdade. Especialmente a verdade do Evangelho, a verdade que faz o pecador perder noites de sono; a verdade que se torna um espelho diante do qual o pecador vê seu verdadeiro estado pecaminoso.

          Quantos de nós, nos dias atuais, queremos pregar mensagens que massageiam o ego do pecador. Quantas vezes dizemos a eles que são especiais para Deus e que Deus não se importa com o estado em que eles se encontram.  Dizemos isto porque achamos que com isso iremos atrai-los a Deus. E o resultado é que o pecador fica como um animal selvagem que foi domesticado. O pecador fica amansado pelo Evangelho, mas não transformado.

          Cristo não veio domesticar ninguém. O Evangelho não tem como objetivo fazer o pecador sentir-se confortável em suas próprias fezes, como diz em sofonias 1.12. Cristo veio transformar vidas e Ele sabia que não há nada tão poderoso como a verdade para provocar a transformação que o homem precisa.

          O Evangelho da Graça é também o Evangelho da Verdade. O Espírito Santo é o Espírito da verdade – Jo 14:17 ;  e a  nós, pregadores, cabe o dever de pregar as verdades do Evangelho.

          Aquele antigo hino, cantado pelo cantor Marcos Antonio, precisa novamente ser cantado em nossas igrejas, nas nossas reuniões de obreiros e nas nossas convenções:

PREGADORES, DE ROSAS, PREGUEM OS ESPINHOS TAMBÉM

PREGUEM QUE DEUS É AMOR, DEUS É AMOR, MAS É JUSTIÇA, TAMBÉM….

 

Em Cristo, Ev. Sandoval Juliano. – 02.04.2010

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *