Os Sete Inimigos do Povo de Deus – Parte I

Compartilhe

                                                                                       

A história do povo de Deus começa com a escolha e chamada de Abraão, a partir de uma promessa na qual Abraão e sua família se tornariam o canal através do qual Deus abençoaria todas as famílias da terra.

Ø Gênesis 12:3 – E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.

Não é por acaso que os capítulos 12 de Gênesis e de Apocalipse tratam, um da chamada e o outro, respectivamente, da fúria de Satanás em função desta chamada.

Ø Apocalipse 12:4 – E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho.

Observe que o “dragão”, figura do diabo, na linguagem apocalíptica, tem o início de suas atividades no mundo espiritual – “E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra”. Isto é uma referência aos anjos que foram seduzidos por Lúcifer, quando de sua rebelião contra Deus, lá no início. Mas, a continuidade da ação de Satanás, na terra, não é contra nenhuma outra nação, senão contra Israel.

“A mulher que havia de dar à luz”, é uma figura, na linguagem apocalíptica, de Israel. Vejam que o “dragão” parou diante de Israel, para lhe tragar o filho. Daí, podemos observar a importância que Israel tem no mundo espiritual, uma vez que o próprio inimigo de Deus volta toda a sua atenção contra um povo, contra uma nação, diante de tantos outros povos que há sobre a face da terra.

Se o inimigo pudesse acabar com essa família, a família de Abraão, ele conseguiria impedir o cumprimento da promessa de que todas as famílias da terra seríam abençoadas. Eis a razão do ódio de Satanás contra Israel, o povo de Deus.

A história de Israel é uma história de perseguição, ódio, muito ódio, de todas os povos da terra contra esse povo. Um ódio, muitas vezes, sem nenhuma explicação. O antissemitismo ainda é o mais longo e o mais profundo ódio da história humana.

Acontece que, a partir de Cristo, a Igreja passou a ser o povo de Deus na terra, não que Israel o tenha deixado de ser, mas, Deus abriu um parêntese na história de Israel, e levantou um povo que pudesse cumprir o seu sonho de levar sua graça “a todas as famílias da terra”. E esse povo, formado de todos os povos da terra, é a Igreja.

De forma que, observamos que assim como o diabo sempre perseguiu a nação de Israel, sua atenção, também, se voltou contra a Igreja, uma vez que ele não quer, de maneira alguma que “todas as famílias da terra” sejam abençoadas, através de quem quer que seja.

Assim  sendo, veremos a partir deste estudo, que todos os inimigos que historicamente foram inimigos de Israel, são, em figura, também, inimigos da igreja. No Antigo Testamento, lá no início da história, Israel tinha pelo menos 07 inimigos que sempre atravessavam o seu caminho. Além de outros que apareceram depois. Eram tantas as guerras nas quais Israel se envolvia que eles tinham um livro que era uma espécie de registro de guerras, chamado de o “Livro das Guerras do Senhor”.

Ø Números 21:14 – Por isso se diz no livro das guerras do SENHOR: O que fiz no Mar Vermelho e nos ribeiros de Arnom,

Quais foram os inimigos históricos de Israel, no início do registro bíblico?

FILISTEUS – AMORREUS – HETEUS – PERIZEUS – CANANEUS – HEVEUS – JEBUSEUS

FILISTEUS – Foram um povo que ocupou a costa sudoeste de Canaã, em um território conhecido como Filístia. Os filisteus, em hebraico – plishtim. Eram conhecidos como “povos do mar”, por terem chegado às terras próximas à Palestina em embarcações vindas do Mar Egeu. Eles ficaram conhecidos por sua característica principal de “destruidores da civilização”. Deles se diz que são os responsáveis pela destruição dos sistemas políticos de civilizações do Oriente Próximo, como o império hitita, e mesmo do Mediterrâneo Ocidental, como os palácios micênicos.

Os primeiros registros históricos sobre eles estão nas crônicas egípcias que fazem referência a eles como parte integrantes dos “povos do mar”.

Segundo a Bíblia, os filisteus são descendentes de Cão, o filho de Noé, que gerou a Misraim, que gerou a Anamim e este a Casluim. Foi então de Casluim que surgiram os filisteus – Gn 10:14 .

Depois de se fixarem na Palestina, construíram cinco cidades, conhecidas como Asdode, Ascalom, Ecrom, Gaza e Gate.

Eles detinham um elevado conhecimento em metalurgia e, em função disto, construíam armas de guerra bem mais sofisticadas que as dos judeus e outros povos em volta. Diz-se deles que foram os primeiros povos a possuírem ferro em Canaã. Em 1 Samuel 13:19 e 20 fala do domínio que eles tinham sobre a arte do ferro.

Foram os filisteus quem trouxeram a cerveja para as terras da Palestina. Existem achados arqueológicos que demonstram serem eles grandes bebedores do produto da cevada. Em Juízes 10:14 e em 16:25 há referência sobre bebedeiras, das quais Sansão chegou a participar.

Outra característica marcante era a liderança que cada uma das cinco cidades tinham. Cada cidade tinha uma espécie de governante, a quem chamavam de príncipe e que em geral eram gigantes – Js 13:3 .

Os filisteus, como todos os demais povos antigos, também tinham seus deuses. Dagon, Baal-Zebu e Astarote eram os deuses dos filisteus.

Dagon – Era a versão masculina da sereia, um ídolo meio peixe, meio homem. Era o deus da fartura, e o deus dos mares. A esse deus, de tempos em tempos, eram oferecidos sacrifícios humanos e a ele eram dedicados os despojos de guerra.

Baal-Zebu – Era o deus conhecico como o dono das moscas. Era ele quem livrava os filisteus das pragas de moscas, muito comuns na região. A principal característica do culto a Baal era imoralidade, práticas sexuais como ritual de culto.

Astarote – Era para eles a deusa mãe, a deusa da fertilidade.

O QUE HÁ NOS FILISTEUS QUE SE ASSEMELHA AOS INIMIGOS ESPIRITUAIS DA IGREJA?

1º – Os filisteus tinham o mesmo objetivo que Israel, conquistar as terras de Canaã. É extamente isto que os demônios pretendem, roubar a bênção que está destinada a você.

Ø Apocalipse 3:11 – Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.

2º – Os filisteus tinham como característica serem destruidores da civilização. O termo “filisteu” passou a designar pessoas de comportamento acovardado, que têm ojeriza por questões políticas maiores, não valorizam a arte, a beleza ou o conteúdo intelectual e satisfazem-se com o cotidiano da vida privada pacata e confortável.

Eles representam os demônios que agem contra o crente para roubar-lhe a inteligência, a capacidade de raciocinar, a capacidade criativa e tentam fazer com que o crente viva intelectualmente escravizado.

O diabo não quer que você pense, que você leia, que você seja criativo.

É através de uma liderança autoritária que ele implanta seus sórdidos propósitos. Ele quer que o crente seja dominado por homens gananciosos, egoístas. Pastores que sentam na cadeira de um púlpito como se estivessem se assentando em um trono para reinar, sem saberem, estão a serviço dos filisteus.

Ø 1 Pedro 5:2 – Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;

Ø 1 Pedro 5:3 – Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.

3º – Os filisteus cultuavam a um deus que exigia sacrifícios humanos. Esta casta de demônios querem o sacrifício de seus filhos. A idéia deles é a seguinte: Ganhe tudo nesta vida, dinheiro, posição, bens, almas para Cristo, qualquer coisa, mas, perca os seus filhos.

Ø 1 Timóteo 5:8 – Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel.

4º – O ataque dos filisteus sempre era liderado por um dos seus cinco gigantes – Este tipo de demônio, quando nos ataca, sempre nos faz sentirmos pequenos aos seus olhos.

Ø Números 13:33 – Também vimos ali gigantes, filhos de Enaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos.

O QUE FOI FEITO DOS FILISTEUS?

Ao contrário de seus inimigos hebreus, quando da queda do Império Babilônico pelos exércitos de Ciro, o Grande, da Pérsia, os filisteus não retornaram às suas cidades. Elas ficaram abandonadas por muitos anos até serem novamente ocupadas por outros povos sob domínio do Império Persa (sobretudo Fenícios). Os filisteus desapareceram da história. Um povo inteiro deixou de existir. Ainda se debate como e por que isto aconteceu. Alguns acreditam que eles foram culturalmente assimilados durante a sua estadia na Babilônia. Como isto pôde ocorrer em tão pouco tempo levanta discussões interessantes entre historiadores e antropólogos.

Da mesma forma podemos falar como Calebe, quando narrava a Moisés o que sentira quando tinha se deparado com os gigantes filisteus pelo caminho por onde passaram. Calebe resumiu com as seguintes palavras:

Ø Números 13:30 – Então Calebe fez calar o povo perante Moisés, e disse: Certamente subiremos e a possuiremos em herança; porque seguramente prevaleceremos contra ela.

Em Cristo, Sandoval Juliano – O Presbítero – 12.09.2012. 

               

                                                                                                          

Fontes de consulta:

Livro: O Teu Povo Será o Meu Povo – Autor Don Finto – BV Films Editora Ltda

Site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Filisteus

Livro: E a Bíblia Tinha Razão – Werner Keller – Editora Melhoramentos

Site: http://povosdaantiguidade.blogspot.com.br/2009/12/filisteus.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *