03 Acontecimentos Que a Cruz Me Faz Lembrar

Compartilhe

 

No dia 10 de janeiro de 2011, no jornal Correio do Estado – site:http://www.correiodoestado.com.br/noticias publicou-se a notícia de que a presidente Dilma Roussef mandou tirar do seu gabinete a Bíblia e o crucifixo.  Depois de dar a notícia,  a pessoa que a publicou encerrou fazendo o seguinte comentário:  “A rigor, independente da crença ou descrença de Dilma, a Bíblia, o crucifixo e demais símbolos religiosos deveriam ser retirados não só do gabinete presidencial, mas de todas as repartições públicas, porque o Estado é laico. Também está na Constituição“.

Esta notícia parece ter sido desmendita por pessoas que frequentam o Palácio do Planalto. No entanto, desde 2005, iniciou-se a discussão em torno deste tema, a partir da proposição do juiz de direito de Porto Alegre, Roberto Arriada Lorea, de retirar das salas dos tribunais do júri da capital gaúcha as imagens do crucifixo cristão. A idéia só não entrou em vigor porque “em outubro de 2005, em um congresso de juízes estaduais no Rio Grande do Sul, foi decidido que os crucifixos poderiam continuar adornando as paredes das salas de audiências gaúchas. A decisão foi apertada: 25 votos pela manutenção e 24 contra”.

O site www.conjur.com.br, que publica matérias e acontecimentos do mundo jurídico, divulgou uma nota dizendo que “A maioria dos membros do Conselho Nacional de Justiça entende que o uso de símbolos religiosos em órgãos da Justiça não fere o princípio de laicidade do Estado. O entendimento ficou expresso no julgamento de quatro Pedidos de Providência que questionavam a presença de crucifixos em dependências de órgãos do Judiciário“.

A França já sancionou e colocou em vigor a Lei que determina a retirada de todos os crucifixos dos órgãos públicos. Na Argentina a deputada Alicia Gutierrez apresentou ao Congresso Projeto de Lei como mesmo intento.

Bem, no meu entendimento, a presença da Bíblia e do crucifixo incomoda. Incomoda àqueles que sabem mas não querem admitir  que a Bíblia revela a santa vontade de Deus; àqueles que não conseguem parar diante de uma imagem da cruz sem pensar na importância do sacrifício de Cristo e sem se sentirem culpados do corpo e do sangue de Jesus; àqueles que praticam injustiças, corrupções e que ficam constrangidos com a presença da Bíblia e da cruz por causa das verdades que esses dois objetos representam. A cruz nos despertam lembranças que alegram àqueles que se converteram a Cristo e incomodam àqueles que não foram alcançados pela mensagem do Evangelho.

Para nós que somos salvos, a cruz é o poder de Deus – 1Co 1:18 .

Pensando nisto, eu comecei a pensar sobre os acontecimentos e verdades que a cruz me faz lembrar. Dentre os vários acontecimentos, quero trazer à memória pelo menos três, a saber:

I. A CRUZ ME FAZ LEMBRAR QUE A MINHA ALMA FOI SALVA

          1. Só quem já passou pela experiência de uma quase morte e teve um milagroso livramento sabe o que significa ser salvo. Recomendo a leitura do texto “Ah se não fosse a cruz” que publiquei neste site na seção Curiosidades, na coluna Textos para reflexão.

          2.  Houve um dia a partir do qual minha alma foi salva. Esquecer este acontecimento é um grande pecado que nossa memória comete. Diante da cruz essa boa nova ressurge e minha alma se alegra, minha fé se renova.

          3. Daí a importância da Santa Ceia, porque neste ato de fé trazemos à memória o momento em que nossa alma foi resgatada e salva.

II. A CRUZ ME FAZ LEMBRAR QUE UM ALTO PREÇO FOI PAGO PELA MINHA SALVAÇÃO

          1. Eu estava no corredor da morte. Por casa dos meus pecados minha condenação já estava decretada. Mas, alguém pagou o preço do meu resgate.

          2. “Redenção/resgate significa livrar alguém por meio do pagamento de um preço. O termo grego para resgate é lytron, que se usava para o pagamento de resgate de escravos de guerra. No grego clássico, na 14ª rapsódia da Ilíada, o termo lytron é usado para a recuperação do cadáver de Heitor das mãos dos gregos. Um dicionário grego define o termo assim: “É aquilo que se oferece para libertar e resgatar um homem de uma escravidão bárbara” – (Fonte:http://ibatebenezer.blogspot.com)

          3.  Cristo, na cruz, foi o cordeiro substituto, o preço foi seu próprio sangue, sua própria vida – Gn 22:13 .

III. A CRUZ ME FAZ LEMBRAR QUE A MORTE FOI VENCIDA

          1. A morte, como sentença pelo pecado – Gn 2:17 , não era apenas a morte física, mas a pior de todas as mortes, a separação eterna do homem de Deus.

          2. Cristo foi o único que não foi vencido pela morte, porque a morte só reina naquele que foi vencido pelo pecado. Cristo venceu a morte!

          3. Ao vencer a morte, Cristo estava decretando que nEle e através dEle, não morreremos jamais – Jo 5:24 . A morte não nos impedirá de vivermos para sempre com o nosso Criador e nosso Redentor.

 

Em Cristo, Pb. Sandoval Juliano – 05 de fevereiro de 2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *