Quando Deus Se Cansa de Alguém

Compartilhe

                    Corrige-te, ó Jerusalém, para que a minha alma não se aparte de ti, para que não te torne em assolação e terra não habitada.

Jeremias 6:8.

Por isso estou cheio do furor do SENHOR; estou cansado de o conter; derramá-lo-ei sobre os meninos pelas ruas e na reunião de todos os jovens; porque até o marido com a mulher serão presos, e o velho com o que está cheio de dias. 

Jeremias 6:11.

Agora, pois, porquanto fazeis todas estas obras, diz o SENHOR, e eu vos falei, madrugando, e falando, e não ouvistes, e chamei-vos, e não respondestes, 

Jeremias 7:13.

Tu, pois, não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me supliques, porque eu não te ouvirei. 

Jeremias 7:16.

* Há um conceito presente na mente dos homens, especialmente em nossos dias, que diz o seguinte: “Em Deus reside toda a bondade. Deus é um pai amoroso e compreensivo. Portanto, nunca fará mal a nenhum filho seu”.

* A história da humanidade está dividida em períodos que revelam o amadurecimento e a evolução do ser humano. Houve época em que o homem não tinha nenhum conhecimento de Deus… Mais à frente o homem começa a adquirir o conhecimento e passa a ver Deus como um juiz soberano que decide as ações do homem na terra e que pune os que não conseguem atender suas exigências… Posteriormente vieram Jesus, Buda e tantos outros que mostraram uma nova face de Deus – Um Deus que perdoa, um Deus que ama!

* Hoje, o conceito que temos de Deus evoluiu ainda mais. Conforme foi retratado no livro “A Cabana”, Deus é um pai que compreende as circunstâncias que nos levam ao erro e que fará de tudo para que todos se salvem. Deus jamais condenaria um filho seu ao castigo eterno. Se Deus jamais nos condenaria, qualquer que fosse o nosso pecado, logo, não existe o inferno… Como em Deus tudo é absoluto, sua bondade e seu amor também são absolutos. Ou seja, na nova filosofia, no novo modo de ver Deus, afirma-se e acredita-se que Deus não apenas nos ama, como em que seu amor é incondicional.

* Mas, a Bíblia Sagrada contém a verdadeira revelação do caráter, da natureza e da personalidade de Deus. Sobre Deus, não basta apenas o que pensamos, ou a visão que cada um tem dEle. É preciso saber quem Ele é a partir da revelação que Ele faz de si mesmo.

QUEM É DEUS, SEGUNDO A REVELAÇÃO BÍBLICA?

I – ELE É O DEUS QUE CRIA TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS PARA QUE SEUS FILHOS SEJAM ABENÇOADOS

          1. Deus dota o homem de capacidade física, intelectual, psicológica e espiritual para que o homem ande em seus caminhos e seja bem sucedido nesta vida;

          2. Deus dá ao homem todos os elementos que ele precisa para viver uma vida digna e abençoada, tanto no sentido material como no sentido espiritual;

          3. Ninguém pode argumentar de que Deus o privou de meios de ser uma pessoa vitoriosa. Nem mesmo deficências físicas são obstáculos para impedir que alguém vença na vida.

II – ELE É O DEUS QUE PERDOA E REDIME

          1. Deus resgata, reforma, reconstrói, restaura, reeduca…

          2. Qual o pai do filho pródigo, Deus está sempre à espera daquele que se perdeu nas ilusões desta vida; daqueles que se afastaram dEle e passaram a viver como se Ele não existisse. Não apenas está à espera do retorno do filho rebelde, mas, como o pastor das cem ovelhas, sai aos valados e montanhas à busca daquele que se perdeu. A Graça de Deus O leva a fazer coisas que muitos de nós é capaz de duvidar!

          3. O Senhor compreende nossa fragilidade e fraqueza, “lembra-se que somos pó”, por isso “não nos trata segundo nossos pecados”. O prazer de Deus é restaurar um filho seu, por mais injusto, ingrato e infiel que tenha sido.

III – ELE É O DEUS QUE SE CANSA E QUE DESISTE DAQUELE QUE O DESPREZA

          1. Há um aspecto da natureza de Deus, revelado nas Escrituras, que muitos de nós prefere não acreditar que exista. C.S. Lewis, Philip Yancey, Max Lucado, e tantos outros pregadores modernos, não conseguem sequer imaginar um Deus que é capaz de proibir um profeta de orar por alguém por estar cansado de conceder a esse alguém sua graça e receber de volta o desprezo. 

          2. Mas é isso que a Palavra nos revela. “Estou enfadado de vossas reuniões solenes“, “Quando levantai as mãos para mim, escondo o meu rosto“, “Corrige-te, ó Jerusalém, para que a minha alma não se aparte de ti…”

          3. O amor de Deus é imenso, é puro, é indescritível, mas não é incondicional, nem cego. Aquele que não responder ao amor de Deus não será beneficiado por Ele. Deus não exige pré-requisito para nos amar, Ele nos amou primeiro, mas exige uma resposta para que sejamos salvos por seu amor. Se não fosse assim, toda a humanidade estaria salva, em Cristo, ainda mesmo aqueles que não cressem no Evangelho. O mesmo Jesus que contou a parábola do filho pródigo, mostrando a disposição de Deus para perdoar, também fez uma revelação que desmonta todo argumento da incondicionalidade do amor de Deus, quando afirmou: “… aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele…” – Jo 14:21 . Em outra oportunidade, Jesus ratificou essa tese quando disse: “Nem todos aqueles que me dizem: ‘Senhor, Senhor!’ entrarão no reino dos céus, mas apenas os que fazem a vontade de meu Pai que está nos céus.” – Mt 7:21 .

          4. O objetivo desta reflexão é nos despertar, uma vez que temos sido iludidos com a mensagem do perdão antecipado, do amor que não importa o que estejamos fazendo, da ilimitada disposição de Deus em nos perdoar. Hoje, fala-se tanto nas “garras da graça”, da “graça soberana”, a “busca desesperada da graça”, do “anseio furioso de Deus” etc. O filósofo e teólogo Ariovaldo Ramos, quando fala sobre o tema, diz  o seguinte: “Tudo, na Bíblia, parece dizer que Deus não deixa de amar porque não houve resposta ao seu amor, entretanto, também não deixa de esperar que essa resposta venha. E se ela não vier, apesar de todo o amor que dispensa às suas criaturas, executará o juízo”.

           5. “Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo!’ – Hb 10:31 . Será que esse versículo está na Bíblia porque foi inspirado por Deus ou será que alguém o acrescentou maldosamente?

Sandoval Juliano, O Presbítero, em Cristo – 25.08.2011

 

Fonte de consulta:

http://www.jornalpequeno.com.br/2008/3/25/Pagina75486.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *